"cantarei" o que a vida me oferecer... bichos...efemérides...alegrias...raivas(!) e o que mais adiante se verá!

18
Fev 12

 A mulher, como mãe,não tem que ficar em casa, "fada do lar ", "governanta " da família...

 Para educar os filhos, diz índio, "é precisa toda a tribo "- daí a responsabilidade da família alargada e do pai ao lado da mãe.

 O amor do casal agirá como exemplo para os mais novos: a consideração , a estima, o inter- auxílio entre os dois será a melhor "escola" para os filhos. O pai "provedor" e a mãe na dependência económica do marido ( ou do pai, do irmão mais velho...) é coisa dos tempos em que as mulheres não tinham acesso à instrução: faziam a 3ª classe e iam "servir"; com um pouco mais de sorte, algumas teriam, em casa, lições de bordado, costura, pintura...piano...francês... Para as famílias crescerem, é necessária estabilidade emocional, trabalho gratificante valorizado monetariamente com justiça, um lugar habitável e salubre para viver, com um mínimo de espaço e de "facilities", apoios    exteriores ao lar, que libertem parcialmente o casal /os pais durante umas horas de  lazer ou de ganha-pão..

 Nem mãe nem pai são "escravos" dos filhos; são responsáveis por eles, em "parceria"; e, para os fazerem felizes, têm eles próprios de cuidar da sua felicidade, na sua relação, no trabalho, no círculo em que se movem. Essa "visão" será, para os filhos, a melhor preparação para a vida (sem descurar a instrução, está visto!). Uma mãe isolada, fechada, sobrecarregada - "criada para todo o serviço" - não seria jamais a educadora ideal.

publicado por mfssantos às 10:09

Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO